domingo, 23 de maio de 2010

Com os pés no chão

Grazi Massafera: madura e refinada, mas a mesma


a atriz Grazi
 Massafera - Foto: Marcelo Carnaval
Bastam cinco minutos com Grazi Massafera para se sentir conversando com uma velha amiga. O papo fluiu tão descontraído que nem parecia que estávamos sentadas na sala de leitura do estúdio de “Tempos modernos”, no Projac. Só faltavam o café e os biscoitinhos. E, olhando Grazi enquanto ela falava, fui me lembrando de que a moça surgiu há apenas cinco anos, no “Big Brother Brasil”, e que, de lá para cá, a filha ilustre de Jacarezinho (PR) passou por uma grande transformação.
Ela mesmo constata que muita coisa mudou.
— Ganhei mais responsabilidade, maturidade, fiquei com menos cabelo (referindo-se ao comprimento). Ah, e consegui uma profissão! Tudo foi tão inesperado e intenso... Eu me encontrei, estou feliz da vida. A mudança só foi para melhor — afirma a atriz, de 27 anos, que também concorda que deu uma refinada: — Consigo enxergar que dei uma sofisticada, mas no fundo continuo a mesma. E isso é que é bom, saber que tudo mudou ao meu redor, mas meus valores não mudaram. As coisas de que gosto..., ok, deram uma refinadinha, mas continuam as mesmas.
Mas será que em nenhum momento Grazi deu uma deslumbradinha?
— Um pouquinho. Mas foi rápido, porque ao menor sinal de que isso estava acontecendo comigo, já expulsei. A sensação é de que vão fazer tudo por e para você. Não quero isso. Quero pegar a minha água, trocar a minha roupa, calçar o meu sapato. Eu me deixei levar por um falso glamour, porque é fácil. O bom é que tenho o pé muito no chão e joguei isso para longe — conta Grazi.
E ela é pé no chão mesmo. Ao contrário de outros participantes do reality show que se recusam a falar sobre o “BBB”, temendo ficar sempre vinculados ao programa, Grazi não tem problemas com isso.
— Quem faz este programa, às vezes, é malvisto. Nossa, depois que saí de lá, aconteceram coisas desagradáveis, que hoje não existem mais. Nem todo mundo que entra no “BBB” quer aparecer. Tem gente que está ali para ter uma oportunidade na vida, não para aparecer, mas por necessidade. Eu, por exemplo, entrei por extrema necessidade — afirma.
E por ter conseguido, em pouco tempo, uma trajetória bem-sucedida, Grazi se tornou uma referência para aqueles que todo ano ocupam a casa mais vigiada do Brasil. De alguma maneira, todos querem ter o mesmo destino da moça. Ser citada como exemplo de sucesso não causa incômodo à atriz.
— Não me incomoda, mas é bom deixar claro que a minha trajetória foi acontecendo. Acho que, se fosse planejada, não daria tão certo. Às vezes, você tem que seguir a intuição. Nem eu sabia que era capaz de fazer novela. Se estou onde estou, devo ao público e a sorte de ter tido uma boa empatia com ele. Sou sortuda por ter tanta gente torcendo por mim. A vida é feita de oportunidades, depende da maneira que você vai agir diante da sua. Eu acreditei no sonho — discursa.
a atriz Grazi 
Massafera Foto: Gustavo Azeredo


Parece vida real

Em sua quarta novela, Grazi seria a grande vilã. Só que sua Deodora mudou radicalmente de personalidade. Hoje em dia, ela é apaixonada por Portinho (Felipe Camargo) e nem de longe lembra aquela malvada do início. Pelo contrário. Está sofrendo com as vilanias do pai, Niemann (Marcos Caruso). Claro que a mudança teve a ver com os problemas que “Tempos modernos” vem enfrentando, desde o começo da trama.
— Isso faz parte dos ajustes. É a busca para agradar e atrair mais espectadores. A gente quer entreter, divertir, quer que as pessoas vejam. A novela tinha uma proposta muito nova e todo mundo que embarcou nela sabia que podia acontecer de tudo. Como se percebeu que o público queria o velho e bom folhetim, as mudanças vieram para tomar este rumo e transformar a novela, que de início era bem diferente — esclarece Grazi.
Apesar de não ter recebido críticas em particular, a atriz comenta que sentiu alguns respingos.
— Sempre pego um pouco para mim, sim. Quando entro numa novela, aquilo ali é meu ambiente de trabalho, não quero salvar só o meu. Quero fazer o meu muito bem, estudar, tentando sempre melhorar. Mas não tem como desvincular, porque é um trabalho em conjunto — analisa.
A mudança radical no comportamento e na personalidade de Deodora deixaram a intérprete satisfeita.
— Deodora não tinha sentimento, era muito prática, masculina. Faltava humanizá-la. E confesso que estava sentindo falta do lado romântico — conta Grazi, cuja nova faceta da personagem acalmou os ânimos do pai, Gilmar: — Ele me ligou após ver umas cenas de maldade no início da novela: “O que é isso? Não gostei não, achei estranho aquilo. Onde você aprendeu a ser má?”. É engraçado, porque ele fala como espectador. Gostei de vê-lo bravo, sinal de que deu certo. Depois da reviravolta amorosa de Deodora, ele me disse: “Agora estou gostando, está bacana. Todo mundo está achando bem melhor”.

‘Quero casar de véu e grinalda’

Queridinha dos anunciantes, Grazi tem vários produtos que querem se vincular ao carisma da atriz. De marca de café a grife de joias, a bela está lá, estampando as campanhas. Mas de onde vem tanta credibilidade?
— Do respeito que tenho pelo público. Quando vou fazer uma campanha, procuro me aliar a produtos com que eu me identifique. Fico surpresa por tanta gente querer vincular sua marca a mim, é claro. É gostoso sentir que confiam em mim — diz.
Tanta solicitação faz com que ela lembre do que pensava quando era uma anônima:
— Uma das coisas que queria ter era independência. Meus pais se separaram e minha mãe não tinha profissão. Ela foi ser boia-fria e, depois, costureira para poder nos sustentar. Como vivi isso dentro de casa, queria ter independência financeira para, no caso de me separar do meu marido, não sofrer tanto. A gente não conta com isso nunca, mas pode acontecer.
Só que esse fantasma está longe de assombrar a relação de Grazi e Cauã Reymond. Juntos há três anos, eles já dividem o mesmo teto e se consideram casadíssimos. A moça, no entanto, não esconde a vontade de subir ao altar.
— Eu quero casar, claro! Toda mulher tem esse sonho. Quero casar de véu e grinalda para dar essa felicidade ao meu pai — conta a atriz.
Além dessa realização, Grazi afirma que há outras para concretizar.
— Ainda faltam acontecer algumas coisas, como ser mãe. Mas, hoje, minhas maiores ambições estão na profissão. Estou sempre buscando melhorar, porque o ofício de ser ator é maior do que eu imaginava. Quem quer ser bom tem que se dedicar muito. Não é demagogia, mas falta ainda muita coisa para fazer, para aprender. Sou aspirante — afirma a atriz, que pelo menos respeito no meio já conseguiu: — Hoje em dia sou respeitada. Já viram que não estou para brincadeira, que não estou aqui só para fazer capa de revista e campanha publicitária, mas para trabalhar de verdade, aprender.
Realizada mesmo, só nas finanças:
— Queria sair do sufoco e consegui bem mais. Financeiramente, eu me considero realizada, principalmente por poder ajudar a família. O terror da vida da gente, que ganhava salário mínimo, era se alguém ficasse doente. Só de não precisar mais ter esse tipo de temor, estou feliz — diz Grazi, que é precavida com o dinheiro: — Eu cuido, poupo, não sou deslumbrada.

Extra Online

2 comentários:

Drika Gaby disse...

A Grazi realmente está mais elegante, deixou um pouco aquele sotaque que eu bem conheço, afinal sou de Jacarezinho tbm, embora não moro lá há anos, meus pais moram lá e o sotaque lembra um pouco mineiro "caipira", rss, às vezes me pego falando "messsmo", "carpê", 'meio-fio"; quem mora lá sabe do que estou falando, hehe.Grazi, parabéns pelo sucesso merecido!!Está linda!

barbara disse...

a... a grazi é uma pessoa tão especial... acho qu um exemplo de atriz, pessoa, mulher... ela merece tudo de bom na vida pessoal, profissional, se um dia tiver a chance de conhece-la direi isso pessoalmente...sou atriz e me enspiro muito nela e espero um dia conceguir ser baem sucedida mas sem deixar a humildade...
se Deus quiser um dia ainda irei contracenar com voce grazi...
voce é demais... te adoro...

Barbara, Mauá-SP.
12 anos.
te adoro...